NIHON RYOIKI
Terminado por volta de 822, o Nihon Ryoiki (cujo título completo é “Nihonkoku genpo zen’aku ryoiki”, “Histórias Milagrosas sobre a Recompensa do Bem e Mal no País do Japão”) é tido como uma das primeiras coletâneas japonesas de setsuwa, anedotas populares e contos folclóricos. A obra foi escrita em prosa numa variante do chinês clássico pelo monge popular Kyokai (também chamado de Keikai). Dividida em três volumes, ela apresenta 116 anedotas sobre acontecimentosmiraculosos, a maioria deles contendo uma lição de moral budista no final. Acredita-se que tais histórias eram tidas como verdadeiras, e usadas em sermões por pregadores populares durante o período Heian. A maioria das histórias divide-se em dois tipos: as que falam de boas ações que trazem recompensas miraculosas, e as que falam de más ações que trazem punições terríveis.
Por causa disto, o Nihon Ryoiki pode ser considerado uma obra de grande importância para levar ao povo japonês da época o conceito budista de karma, e de responsabilidade ética pelas próprias ações, posto que a religiosidade popular autóctone não preocupava-se com questões éticas, mas sim com evitar a transgressão de tabus que pudessem repercutir em poluição ritual (tsumi). Além do que, no prefácio à obra Kyokai faz outra observação, onde defende que se ignore a dicotomia entre os clássicos budistas e os não-budistas (geralmente confucionistas), defendendo que ambos devem ser levados em consideração, já antecipando a integração da erudição chinesa no Japão.
O Nihon Ryoiki foi traduzido integralmente para o inglês por Burton Watson em 2013, sendo a obra intitulada “Record of Miraculous Events in Japan: The Nihon ryoiki”.

Obras recomendadas:
SHIRANE, Haruo (Ed.). Traditional Japanese Literature: An Anthology, Beginnings to 1600. New York: Columbia University Press, 2007.
WATSON, Burton (trad.). Record of Miraculous Events in Japan: The nihon ryoiki. New York: Columbia University Press, 2013.
(Texto por Kauê Otávio)

Share.

About Author

André Miranda

Nascido no Rio de Janeiro, mas, devido a sua ascendência nordestina, criado na Bahia, começou Karatê em 1988, na extinta Lince Karatê Clube, com a Sensei Amanda Barcelar Pires (primeira faixa-preta mulher da Bahia, aluna de Denilson Caribé - ASKABA). Graduou-se faixa preta pela FNAM, com o Sensei Masco Monteiro. De volta ao Rio de Janeiro, continuou seu treinamento com o Sensei Humberto Amorim (6º Dan), no Quartel São João da Urca, com quem continua treinando. Praticante do estilo Shotokan Ryu, o qual é 3º Dan, em 2009 começou a praticar Jiu-Jitsu (sob a orientação do Sensei Gustavo Souza - 6º Dan) e Aikido (sob a orientação do Sensei Luciano Santana - 4º Dan). Amante da cultura Japonesa fundou o Instituto Ishindo, onde busca difundir a cultura e tradição marcial japonesa.

Comments are closed.