Iaijutsu

iaijutsu-barra

 
Os famosos samurais e sua notória habilidade no combate com espada ficaram mundialmente conhecidos através da literatura e do cinema; através dos livros “Musashi” de Eiji Yoshioka e “Shogun” de James Clavell, temos contato com a história e política da época; já nos filmes dos consagrados diretores Akira Kurosawa e Takashi Miike, somos apresentados a diferentes temas da época do Japão feudal, em que, estes lendários guerreiros japoneses são retratadas como hábeis espadachins e grandes eruditos que transcendem o manejo da espada para um nível de arte e um caminho a ser trilhado.

Nesse sentido, surge o Iaijutsu, também chamado de Battôjutsu, Saya-no-uchi, Nuki e Yore, como sendo a arte marcial japonesa do desembainhar da espada, para vencer a luta em um só golpe. Consiste em conjuntos de Katas – técnicas ou movimentos que permitem ao praticante reagir de forma apropriada a determinadas situações – utilizando a espada kataná.

A arte japonesa de desembainhar a espada começou provavelmente há aproximadamente 500 anos, com Iizasa Choisai, o fundador do estilo Tenshin Shōden Katori Shintō-ryū. Essa escola incluía em seu currículo a prática com vários tipos de armas, desde o uso da kataná, do bastão jō e da naginata, ao arremesso de faca e kusarigama. Uma parte de seu currículo consistia na técnica de desembainhar rápido e golpear imediatamente com o uso de espadas, ou seja, o “iai”. Essa técnica era usada para autodefesa ou ataque preventivo.

O Iaijutsu faz parte do Kobudo, ou Koryu Budo, as artes marciais genuinamente samurais, criadas por estes lendários guerreiros. Como toda arte do Kobudo, o Iaijutsu se encontra dividido em diferentes estilos (em japonês ryu), que se fragmentaram ao longo dos séculos.

Filosoficamente, podemos descrever o Iaijutsu como “a arte de vencer antes mesmo de desembainhar a espada”, e constitui um importante treinamento para quem deseja dominar a arte da espada. A prática do Iaijutsu demanda concentração, presença de espírito e equilíbrio, que são desenvolvidos ao longo dos treinos.

O treinamento consiste em repetir as séries de kata individualmente, focando toda a atenção para o presente, para o seu Centro, ou seja, o treinamento de Iaijutsu consiste em desembainhar a espada contra um oponente imaginário de uma forma rápida, precisa e eficiente. Originalmente, era uma prática essencial da qual podia depender a vida do lutador. Simboliza a essência da perfeição nas artes marciais, pela sua simplicidade, precisão e poder.

A sua prática demanda muita concentração, presença de espírito e equilíbrio que são desenvolvidos ao longo dos treinos. No Japão, existem, ainda hoje, diversos estilos de Iaijutsu, normalmente associados à uma escola de Kenjutsu; Porém, mesmo no moderno Kendo, esta arte encontra-se presente na forma do Iaido, que também é treinado em forma de Kata.


Conceitos do Iaijutsu

Aspectos técnicos do treinamento de Iai

Atualmente o Iaijutsu é praticado através de katas, que são sequências de técnicas estabelecidas, em que se luta contra um adversário imaginado.

Entretanto, no currículo das escolas de iaijutsu existe também o Kumi Iai, que são kata’s com dois praticantes, sendo que um executa a técnica, enquanto o outro recebe a técnica.

Os kata’s do Iaijutsu são divididos em quatro momentos, embora a transição de uma fase a outra se dê de forma muito sutil, tornando sua execução um exercício perfeito e harmonioso. A concentração deve estar aliada à uma correta respiração, para a correta execução da técnica.

As quatro fases do Iaijutsu são:

Nukitsuke, consiste na primeira fase do kata, em que o praticante, percebendo a intenção do oponente, desembainha o kataná buscando anular seu ataque ou atacando antes que o adversário desfira seu golpe. Sua execução pode ocorrer de diversas maneiras: adiantando-se ao ataque do oponente, bloqueando seu golpe ou até mesmo se desviando do ataque fazendo-o perder seu golpe.

Kiritsuke é a fase que se segue após o Nukitsuke momento em que, após desembainhada a espada, ocorre o corte final contra o oponente. Este golpe final deve ser desferido com firmeza e precisão para que seja eficiente. Não se usa força bruta, apenas o fluir da espada. A beleza no Iaijutus reside em suas sutilezas, de forma que o praticante passa a saber aplicar a força na medida correta na execução perfeita da técnica, de forma que ao final da execução, o oponente não consiga esboçar qualquer reação.

Tiburi, é a fase em que, terminado o corte, o praticante deve limpar o sangue da lâmina, claro que, sendo kata, o movimento é executado de forma simbólica, mas nem por isso, menos verossímil. Significa que o adversário foi derrotado, então, a lâmina deve ser limpa antes de guardada no Saya (bainha). Existem diversas formas de executar o tiburi e, dependendo do estilo ou da sequência executada, ele pode ser mais simples ou mais complicado.

Noto, consiste na última fase do kata, fechando o ciclo; é o momento em que, terminado o combate com a derrota do oponente, o praticante deve guardar o kataná, embainhando-o. Importante pontuar que, embora terminada a sequência, a concentração do praticante deve se manter a mesma do início, pois ele ainda está na execução do kata. Significa que, embora o adversário esteja derrotado, o samurai deve manter a prontidão para, se necessário, recomeçar o ciclo do kata, contra qualquer outro oponente, pois o samurai deve estar sempre preparado para o combate.

Outros conceitos a serem observados:

Zanshin: Refere-se a um estado de consciência – alerta relaxado. Uma tradução para o termo zanshin seria “estado de não mente”. É o estado contínuo de espírito, agilidade mental e preparação física para enfrentar a situação de ataque eminente, em que deve ser mantida a serenidade em qualquer situação. Esse estado mental deve ser mantido em toda a execução da técnica, desde o Kuritsuke até o Noto.

Maai: Se refere ao espaço entre dois adversários em combate; no iai se refere à noção de distância durante a execução do kata. É um conceito complexo, que não compõe apenas a distância entre os adversários, mas o tempo que levará para atravessar a distância, ângulo e ritmo de ataque. É, portanto, especificamente a posição exata de onde um oponente pode atacar o outro, sem que seja atingido. Por exemplo, maai de um oponente mais rápido é mais longe do que um oponente mais lento. Durante um combate, o ideal para um adversário é manter o seu maai, evitando o maai do adversário. Embora o iaijutsu seja praticado com um adversário imaginário, deve-se ter em mente que suas técnicas foram desenvolvidos em um tempo que sua eficiência determinaria a vida ou a morte dos samurais, portanto, os praticantes devem buscar compreender a distância correta e buscar sua perfeita execução.

Metsuke: A forma correta de olhar durante a execução do Kata. Muitas vezes uma luta acaba antes mesmo de começar, pelo simples olhar. Isto se chama dominar o espírito do adversário. No Iaijutsu, pela falta de um adversário concreto, o praticante deve praticar com mais vigor o seu olhar, não um olhar raivoso, mas um olhar concentrado e vazio, em que o adversário não possa ver qualquer emoção em seu olhar.

Tenouchi: A forma correta de empunhar a espada. Não é com força e dureza, mas com suavidade na execução e aplicando a força no final do golpe. A concentração aliada a uma respiração correta é muito importante.