Sojutsu

Sojutsu
Sojutsu é um conjunto de técnicas de manejo da lança japonesa Yari, por isso também é conhecida como yarijutsu. Estas técnicas estão inseridas, normalmente, nos diferentes estilos e escolas marciais; muitos dos quais foram transmitidos até os dias atuais. Essas técnicas não se desenvolveram separadamente como escolas de kenjutsu ou jujutsu, pois, seu estudo se dava no currículo das escolas marciais do Japão feudal, sendo uma das habilidades estudadas pelos samurais.

Dentre estas antigas escolas de Budo Tradicional (Koryu Budô), podemos citar o Tenshin Shoden Katori Shinto-ryu, existente até os dias atuais. A tradição desta escola é enfática em afirmar ser a primeira escola de Bujutsu a incluir o estudo do sojutsu em seu currículo. Outra escola de igual prestígio a ensinar o sojutsu é a Hozoin-Ryu.

A Evolução do Sojutsu

Quando surgiram, as primeiras lanças japonesas eram feitas em bambu e eram conhecidas pelo nome Take-Yari. Porém, com o desenvolvimento da arte da forja, surgiram as primeiras lâminas de longo alcance (lanças). Durante o período feudal japonês até a restauração Meiji, a lança era amplamente utilizada pela guarda de grandes senhores feudais ou por guardas das grandes cidades fortificadas, sendo muito popular entre os guerreiros, quando lutavam em bloco.
Tipos de ponta de Iari
Por sua vez, os grandes senhores feudais preferiam armar seus guerreiros de menor patente, ou mesmo sua guarda particular com os yaris, devido principalmente ao baixo custo desta referida arma, depois pela eficiência de suas técnicas em combate no campo de batalha, principalmente após o advento da introdução das armas de fogo no Japão, em que as formações de tropas de ashigaru, em conjunto com a artilharia de armas de fogo impunham pesadas baixas nos exércitos adversários.

Nesse contexto, o ponto alto do sojutsu se deu durante as invasões mongóis, momento em que os lanceiros foram utilizados em larga escala.

Contudo, a utilização de lanceiros em batalhas, aos poucos foi diminuindo e, devido ao longo período de paz existente no Japão, com a consolidação do Xogunato Tokugawa, o seu uso passou a se limitar a algumas poucas escolas de bujutsu, fazendo com que a existência destes guerreiros e a prática de suas técnicas desaparecesse quase que completamente do Japão. Sabiamente, contudo, alguns mestres preservaram suas técnicas, inseridas nos currículos de suas escolas, fazendo com que chegassem aos nossos dias.

QUADRO DE CURIOSIDADE
Origem Mitológica
A origem do Yari encontra sua referência mais remota na mitologia japonesa, em que Isanami e Isanagi receberam das mãos dos deuses primais, a lança Ama-no-Nubolo, com a qual, após tocarem o oceano e a retirarem de suas águas, as gotas que pingaram de sua lâmina criaram as ilhas do Japão, chamadas, primitivamente, de Oyashi-ma-kuni ou “o país das oito grandes ilhas”.

Tipos de Yari

Durante os séculos de idade média do Japão feudal, diversos modelos de yari foram desenvolvidos, muitos deles em um mesmo período, sendo motivados pelas necessidade do feudo ou por conta de determinadas técnicas da escola existente naquela região.
yari
As duas espécies mais conhecidas são: su yari (com lâmina reta) e kama yari (com uma outra lâmina em horizontal cruzando a lâmina reta). Excepcionalmente, a su yari longa é chamada de omi no yari. Também a kama yari possui particularidades em terminologia caso a lâmina que cruze a lâmina reta possua tamanho idêntico. Seu nome então passa a ser jumonji yari.

A katakama yari possui uma lâmina única perpendicular à lâmina reta (somente em um lado) ou possui a lâmina perpendicular para os dois lados, porém de tamanho diferente à da reta.
Especula-se que o aparecimento da Katakama Yari ocorreu devido a um reparo na lâmina transversal de uma Jumonji Yari.

As Kikuchi yari (relativamente raras) são de uma única ponta e normalmente são do estilo kira zukuri ou shobu zukuri. Esse estilo de yari foi nomeado pela família Kikuchi, de Higo, durante a Era de Nambokucho (1336-1392). A yari Kikuchi parece uma tanto (faca-adaga) em largas proporções.