Técnicas de Judô

As técnicas de Judô, arte marcial criada pelo Mestre Jigoro Kano, à partir das técnicas do Jujutsu tradicional japonês, possui um complexo arsenal de técnicas, muitas das quais também serão vistas em outras artes marciais como Jiu-Jitsu moderno (ou Brazilian Jiu-Jitsu, como alguns preferem chamar) e o Aikido.

O primeiro grande avanço na vida de uma ser humano é quando ele dá os primeiros passos; nas artes marciais não é diferente, por isso, antes de adentrar, propriamente, nas técnicas, vamos conhecer algumas posturas (Shizei) utilizadas pelos judocas durante o seu treinamento.

Isso porque, para que o praticante tenha um bom desenvolvimento na arte suave, é preciso que desenvolva uma boa postura corporal, que será a base de todo o seu judô. Vamos, então, conhecer as principais técnicas do Judô:

POSTURAS (SHIZEI)
A posição básica para todos os movimentos é a shizei, a qual sua correta execução facilitará a velocidade e aplicação de qualquer técnica; por este motivo, deve-se adotar o shizei para iniciar e mudar de posição. Seguindo a esta, existem várias outras que devem ser igualmente praticadas.

– Shizentai (shizen-hontai): É a posição natural do corpo; de pé com o corpo levemente descontraído e os pés ligeiramente afastados (largura dos ombrtos);

– Migi-shizentai: Quando o avanço é feito com a perna direita à frente, em posição natural;
– Hidari-shizentai: Quando o avanço é feito com a perna esquerda à frente, em posição natural;

– Jigotai (Jigo-hontai): É a posição defensiva: de pé, com as pernas muito afastadas e joelhos levemente flexionados, dando uma melhor estabilidade à base;

– Migi-jigotai: É a posição defensiva com a perna direita avançada;
– Hidari-jigotoi: É a posição defensiva com a perna esquerda avançada;

MOVIMENTAÇÃO PELO TATAME (SHINTAI)
Para um bom desempenho da luta em pé, o judoca deve deslocar-se pelo tatame de forma correta, movendo-se de forma rápida e equilibrada, mantendo os joelhos e tornozelos flexiveis, evitando cruzar os pés. Para isso, deve caminhar de forma descontraída, mas não distraída, delocando-se em todas as direções, deslizando os pés, sempre acompanhando os passos do seu adversário, sem nunca resistir aos movimentos do adversário, pois quando resiste se corpo se torna rígido, perdendo facilmente o equilibrio. Para tanto, existem dois meios:

– Ayumi-ashi: é a marcha natural, na qual as pernas se encontram ligeiramente afastadas e o pedo do corpo se encontra na ponta dos pés, sem que os mesmo deixem de tocar o solo. A característica principal deste movimento é que sua posição é sempre natural, ou seja, como se estivesse caminhando.

– Tsugi-ashi:Este movimento seguirá os mesmo princípios do anterior, porém guardando diferença em que, no deslocamento o pé que avança é sempre o mesmo, enquanto o segundo pé jamais ultrapassa o primeiro.

ESQUIVAS (TAI-SABAKI)
O tai sabaki corresponde a movimentação do corpo durante a execução eficiente das técnicas de queda, seja em esquivas, avanços ou rotações do judô, e demais artes marciais japonesas.

Durante a execução dos combates, o praticante de judô deve mover-se com a máxima leveza e eficiência, mantendo-se constantemente em equilíbrio, por isso é importante se fazer um trabalho de pés rápido, com total estabilidade, estes são chamados de tai sabaki; vamos conhecê-los.

– Migi-mae-sabaki – esquiva à direita para frente;
– Hidari-mae-sabaki – esquiva à esquerda para frente;

– Migi-mae-nawari-sabaki – esquiva rodando à direita para frente;
– Hidari-mae-nawari-sabaki – esquiva rodando à esquerda para frente;

– Migi-ushiro-sabaki – esquiva à direita para trás;
– Hidari-ushiro-sabaki – esquiva à esquerda para trás;

– Migi-ushiro-nawari-sabaki – esquiva rodando à direita para trás.
– Hidari-ushiro-nawari-sabaki – esquiva rodando à esquerda para trás.

– Shizen-hontai – posição natural;
– Migi-shizentai – posição natural à direita;
– Hidari-shizentai – posição natural à esquerda;

– Jigo-hontai – posição de defesa;
– Migi-jigotai – posição de defesa à direita;
– Hidari-jigotai – posição de defesa à esquerda.

TÉCNICAS DE AMORTECIMENTO DE QUEDAS (UKEMI NO WAZA)
É cediço que o equilíbrio é essencial para o judoca, pois quando se perde o equilibrio o praticante fica sujeito à queda. Por este motivo, se não soubermos amortecer o contato do nosso corpo com o solo, estamos sujeitos a nos machucar.

Assim, antes de aprender as técnicas de projeção, torção ou dominação do adversário, o praticante de Judô precisa aprender a cair, por isso aprende as técnicas de amortecimento de queda (ukemi).

“Saber cair é a base indiscutível das projeções. É necessário um treino metódico e perseverante, para vencer o medo da queda. Essa superação nos permite progredir nos conhecimentos do judô. Assim teremos um espírito aberto para ataque e defesa, aplicando os movimentos com rapidez e precisão. As direções fundamentais para ukemi são:” (wikipédia)

– Mae ukemi – queda para frente;
– Uchiro ukemi – queda para trás;
– Yoko ukemi – queda para os lados (esquerdo – hidari / direito – megi);
– Zempo kaiten ukemi – rolamento.

TÉCNICAS DE PEGADA (KUMI-KATA)
No judô, os atletas estão sempre buscando o momento adequado para palicação das técnicas mais eficientes. Para que haja uma maior possibilidade de eficiência nos golpes, é preciso que a pegada no judogi do adversário seja adequada, portanto, veja os tipos de pegadas mais utilizadas. (WILSON, Ney. 2012, p.32)

– Quando estiver em posição migi-shizentai (posição natural com perna direita à frente), a mão direita vai à lapela esquerda do oponente e a mão esquerda pega na manga direita do oponente;

– Quando estiver em posição hidari-shizentai (posição natural com perna esquerda à frente), a mão esquerda vai à lapela direita do oponente e a mão direita pega na manga esquerda do oponente;

– Quando estiver em posição migi-jigotai (posição de autodefesa com perna direita à frente), a mão direita vai por baixo do braço esquerdo do oponente, pegando nas costas dele, e com a mão esquerda agarra-se a manga direita do oponente, puxando o braço dele sob a sua axila esquerda;

– Quando estiver em posição hidari-jigotai (posição de autodefesa com perna esquerda à frente), a mão esquerda vai por baixo do braço direito do oponente, pegando nas costas dele, e com a mão direita agarra-se a manga esquerda do oponente, puxando o braço dele sob a sua axila direita;

Todas as técnicas do judô são chamadas de waza e foram organizadas em grupos. O primeiro grupo é o Nage Waza, que é subdivido em dois subgrupos:

– tachi-waza (técnicas de projeção em pé), é o primeiro subgrupo, e envolve técnicas de ashi-waza (técnicas de perna), te-waza (técnicas de braço) e koshi-waza (técnicas de quadril);
– sutemi-waza (técnicas de sacrifício), é o segundo subgrupo e é composto por yoko-sutemi-waza (técnicas de sacrifício laterais) e ma-sutemi-waza (técnicas de sacrifício frontais).

O segundo grupo é o katame-waza (técnicas de controle; normalmente utilizadas no combate no solo), que é dividido em:

– osae[komi]-waza (técnicas de imobilização);
– shime-waza (técnicas de estrangulamento);
– kansetsu-waza (técnicas de chave articular).

Essas técnicas são pontuadas de acordo com a projeção resultante, o tempo de imobilização ou submissão do adversário. A punição do oponente é outro meio de se obter pontuação (MIARKA, 2011) . Durante os treinos e competições, na aplicação dos waza (técnicas), aquele que aplica é o tori, enquanto aquele que recebe a técnica é o uke. Vamos, então, conhecer cada grupo e subgrupo:

NAGE WAZA
(técnicas de arremesso)

Compreende todas as técnicas que visam tirar o equilibrio do adversário, através de sua projeção em busca do golpe perfeito (ippon). Esse grupamento é composto de 67 técnicas organizadas e divididas em:

1º GRUPO
-TACHI WAZA
(técnicas em pé)

O Tachi-waza é subdividido em te-waza (técnicas de mão), no qual o tori predominantemente usa os braços para jogar o uke; Koshi-waza (técnicas de quadril), no qual o tori usa predominantemente movimentos de elevação dos quadris para jogar o uke; Ashi-waza (técnicas de pé e perna), no qual o tori usa predominantemente seus pés e pernas para jogar o uke.

Tachi-Waza

-SUTEMI-WAZA
Consiste em um grupamento de técnicas de sacrifício em que o judoca se projeta para trás ou para o lado, puxando seu adversário para o chão.

Sutemi-Waza

2º GRUPO
-KATAME-WAZA
O katame-waza é o segundo grande grupo de técnicas que compõem o Nage-waza e consiste nas técnicas de solo, muito características do jiu-jitsu. Este grupo possui 29 técnicas divididas em três subgrupos (Osaekomi-waza, Shime-waza, Kansetsu-waza).

Katame-waza

NOVAS TÉCNICAS

Como tudo na vida, o judô continua em constante evolução, e com isso, muitas técnicas foram introduzidas, sejam antigas que foram resgatadas ou novas que foram criadas à partir das experiências vividas em torneios ou fruto do estudo dos mestre em todo o mundo. Estas técnicas, embora não fossem proibidas em treinos e torneios, não eram reconhecidas pela Kodokan, que somente em 1982 e 1987 reconheceu e as legitimou passando a fazer parte do currículo oficial da Kodokan e Federação Internacional de Judô. Vamos, então, conhecê-las:

Shinmeisho-no-waza

KATA
O kata é um conjunto de técnicas fundamentais, um método de estudo especial, para transmitir a técnica, o espírito e a finalidade do judô.

Existem no judô os seguintes katas:

-Nage-no-kata: formas fundamentais de projeção.
-Katame-no-kata: formas fundamentais de domínio no solo.
-Kime-no-kata: formas fundamentais de combate real.
-Ju-no-kata: formas de agilidade aplicadas em ataque e defesa.

Fonte: Confederação Brasileira de Judô