Técnicas de Karatê

Karate-video2

FUNDAMENTOS

Vamos conhecer um pouco dos aspectos técnicos do Karatê e dos seus fundamentos e seguindo o nosso estudo, estudaremos suas técnicas, as quais são desenvolvidas nas aulas no Dojo.

Primeiro vamos conhecer as armas do Karatê.

As armas e técnicas de karatê shotokan são as várias partes do corpo humano. Toda parte que possa ser eficaz na defesa ou ataque é usada. É nesse sentido que o karatê-dô é diferente das outras artes marciais.

O treinamento sistemático é a única maneira de desenvolver as armas que estarão preparadas para serem usadas a qualquer momento, em qualquer lugar e em qualquer situação. É muito importante que o treinamento de cada parte do corpo seja constante e metódico. Apenas o treinamento intensivo não basta para transformar as partes do corpo em poderosas armas.

Tratando-se de uma forma de combate inerme, os próprios segmentos corporais, especialmente os membros superiores e inferiores, servirão de armas, dividindo-se em dois grandes grupos:

TE-WAZA ou técnicas de mão, onde ressaltamos:

  • SEIKEN
  • TETSUI
  • NAKADATE – IPPON – KEN
  • HIRAKEN
  • YONHOM – NUKITÊ
  • SHUTO
  • NIHOM – NUKITÊ
  • KAKATO
  • EMPI

ASHI–WAZA ou técnicas de pernas, destacando-se:

  • HITTSUI
  • SOKUTO
  • HAISOKU-KAKATO
  • KOSHI

Há, ainda, possibilidades de uso de outras partes do corpo, contudo carecem de um aprimoramento técnico de treinamento constante.

TE–WAZA

Rekin – É o golpe aplicado com a face dorsal das segundas e terceiras articulações metacarpo-falangeanas do indicador e médio. No momento do golpe o punho deve ter a palma da mão voltada para baixo.

Tetsui – Punho em martelada – Neste golpe utiliza-se a face lateral da mão fechada, na altura do último metacarpo, à maneira do martelo.

Nakadate-Ippon-Ken – Golpe dado com a ponta formada pela articulação da falange com a falanginha do dedo médio da mão.

Hiraken – Golpe dado com a ponta formada pelas articulações falange-falanginha dos dedos; estando a mão no prolongamento do antebraço até as falanges. O polegar permanece unido lateralmente à mão.

Yonho-Nukite – Golpe dado com as pontas dos quatro dedos unidos e formando um único plano. Polegar unido à mão.

Shuto – Golpe dado com a região do quinto metacarpiano, semelhante a um cutelo.

Nihon-Nukite – Golpe dado com as pontas dos dedos indicados e médio estendidos; os demais ficam unidos e flexionados.

Nakuto – Golpe dado com o dorso do punho flexionado.

Empi – Golpe dado com a articulação do cotovelo.

Hittsui – Golpe dado com o joelho (rótula – patela).

Sokuto – Golpe dado com a borda lateral externa do pé, região do quinto metatarsiano.

Haisoku – Golpe dado com o peito do pé.

Kakato – Golpe dado com o calcanhar.

Koshi – Golpe dado com a planta dos pés.

Outro aspecto importante é a base, pois sem a correta base todo o karatê se torna fraco.

Bases do Karatê

Para que as armas estudadas tenham eficiência, torna-se necessário que o corpo esteja em posição favorável, isto é, em equilíbrio. Teremos, então, o melhor aproveitamento da força no sentido do golpe.

 

  • Hachiji Dachi
  • Kiba-dachi
  • Zenkutsu-dachi
  • Kokutsu-dachi

 

Vamos conhecer cada uma delas?

1. Hachiji Dachi

É a base fundamental ou posição ritual adotada ao início e término de um treinamento ou combate. De pé, afastamento semelhante à largura dos ombros, corpo ereto, queixo retraído, pernas em posição de equilíbrio, braços distendidos à frente do corpo, punhos cerrados com as costas das mãos voltadas para os lados, olhos fixos no companheiro. Desta posição tem origem a saudação, inclinando ligeiramente o corpo sem baixar o olhar e bradando OSS.

2. Kiba Dachi

Base semelhante à postura do cavaleiro. Pés afastados lateralmente à distancia aproximada a duas vezes a largura dos ombros e os dedos deverão ficar ligeiramente voltados para dentro, forçando para fora. As pernas deverão estar semi-flexionadas, com os joelhos projetados para frente na mesma direção dos pés e forçando para fora. Glúteos e abdômen contraídos, baixo ventre (tandem) elevado como se procurasse encostar o umbigo no peito, tronco e cabeça na vertical. O peso do corpo deverá estar igualmente distribuído nas duas pernas e a posição dos braços semelhante à base anterior.

3. Zenkutsu Dachi

Pés afastados no sentido antero-posterior, à distância correspondente a duas vezes a largura dos ombros e afastados lateralmente à distância de uma vez a largura dos ombros. O pé dianteiro estará apontado para frente com os dedos forçando para fora e o calcanhar para dentro, a perna correspondente ficará flexionada com o joelho projetado para frente e posicionando exatamente na vertical do tornozelo. O pé deverá estar apontado a 45º em relação à frente do corpo com os dedos forçando para fora e calcanhar para dentro, a perna correspondente estará distendida. A posição do restante do corpo é semelhante à da base anterior.

4. Kokutsu Dachi

Pés afastados no sentido Antero-posterior à distância de aproximadamente 1m, os calcanhares deverão estar numa mesma linha e formando entre si um ângulo de 90º, os dedos estarão forçando para fora e calcanhares para dentro. A perna dianteira estará ligeiramente flexionada, joelho apontado para frente e forçando para fora, a traseira ficará mais flexionada com o joelho voltado para o lado e forçando para fora. O peso do corpo estará distribuído de modo que a perna mais avançada suporte 30% e a mais recuada 70%. O restante do corpo se posicionando de maneira semelhante às bases anteriores, com a única diferença que o abdômen se volta para a direção de 45º em relação à frente do corpo.

Obs.: Em todas as bases é importante salientar a posição do Tandem que fica contraído e projetado para cima (umbigo forçando de encontro ao peito).