Dojo

0

Dojo visao geral

O Dojo é a sala de treinamento de todas as artes marciais japonesas desde as modernas (Karatê, Judô, Jiu-Jitsu e Aikido) até as antigas (Kenjutsu/Kendo, Iaijutsu/Iaido, Kyujutsu/Kyudo etc…).

Preferimos postar em Karatê, por questões puramente de organização de conteúdo, mas este artigo serve a todos os praticantes de artes marciais independente do estilo ou escola.

Boa leitura!

DIFERENÇA ENTRE DOJO E ESCOLA

Muitos consideram o Dojo como sendo todo o espaço em que funciona a academia, clube ou associação. Para estes, então, o Dojo estaria dividido em:

1 – Uma área de escritório, onde são mantidos os arquivos, documentos, registros e arquivos, documentos, registros e ficha técnica dos atletas e alunos, como também tudo tipo de documentação.
2 – Nos corredores, normalmente são encontrados:

  • a) Um quadro de nomes (nafuda kake), contendo pequenas placas de madeira, onde são gravados os nomes dos alunos e mestres, organizados de acordo com a hierarquia.
  • b) Um quadro de avisos.
  • 3 – Uma área com acomodação para visitantes, contendo cadeiras ou bancos, geralmente na área inferior (shimoseki) ou superior (Joseki).
    4 – Vestiários, com armários e chuveiros.
    5 – Salão de treino.

    Nós, no entanto, consideramos que tal descrição melhor se assemelha a Escola e não ao Dojo propriamente. Então, preferimos denominar Dojo, apenas o salão de prática do Budo – Arte Marcial.

    ENTÃO O QUE VEM A SER O DOJO?

    O Dojo é um lugar especial que deve ser considerado como um templo. A palavra significa “lugar de aprender e realizar”. Entretanto, não é simplesmente um local de treinamento, porque para o povo japonês se refere a algo mais sublime.

    O nome foi adotado da religião budista, onde os monges buscavam a iluminação através da meditação, concentração e respiração. Por este motivo, deve-se guardar respeito, não se elevar à voz, utilizar-se de boas maneiras evitando piadas ou palavras de baixo calão.

    Tradicionalmente o Dojo é dividido em 4 partes: Joseki, Shimoseki, Kamiza e Shimoza.
    Dojo

    O SHIMOZA e SHIMOSEKI são reservados para os alunos.

    O KAMIZA e o JOSEKI são reservados para o professor e o assistente.

    O KAMIZA é o lugar de honra onde, além do professor e do assistente, estão os convidados de honra e é onde esta o retrato do Mestre, reverenciado por todos, em memória de sua obra. Neste local, se faz a saudação de inicio e fim de cada aula. Somente um aluno deve se aproximar do KAMIZA quando for permitido.

    Dependendo do Dojo, a área de treinamento e concentração de praticantes será coberta com os tradicionais tatames japoneses, feitos de palha ou junco, cobertos por lona especial; normalmente montados em uma superfície inferior feita de tábuas de madeira, oferecendo ao praticante um piso macio e seguro.

    Entretanto, pela dificuldade em encontrar-se este tipo de tatame, atualmente as escolas de artes marciais têm optado pela utilização de pisos emborrachados, em formas de placas que se encaixam. Outra opção muito utilizada é borracha de pneu triturada, coberta com uma lona.

    Entretanto os Dojos tradicionais de Karatê-Dô, muitas vezes, não são cobertos por tatames, mas, no seu lugar, o piso é formado por um assoalho de madeira, que favorece os movimentos desta arte, ao tempo que também serve para amortecer eventual aplicação de técnicas de projeção.

    Na orientação tradicional de um Dojo, o Kamiza é o local de maior importância, onde poderá, dependendo do caso, estar depositada uma foto do Mestre, uma espada com um quadro devidamente emoldurado de caligrafia tradicional japonesa (jodo), chamado de kakejiku, com conteúdo filosófico, pendurado centralmente na parede ou lateralmente em cada lado da foto do Mestre. No Japão, também se vê, em alguns Kamiza, um pequeno estrado elevado, ostentando símbolos típicos (espada, o tambor cerimonial, pergaminhos pintados, chamados Hidensho).

    REVERENCIAR O DOJO

    Ao adentrar devemos rogar para que possamos receber o verdadeiro espírito humano e de cordialidade e prometer a Deus conservá-lo. E na saída do DOJO devemos reverenciá-lo, como sinal de agradecimento pelo que recebemos espiritualmente.

    Compartilhe.

    Sobre o Autor

    André Miranda

    Nascido no Rio de Janeiro, mas, devido a sua ascendência nordestina, criado na Bahia, começou Karatê em 1988, na extinta Lince Karatê Clube, com a Sensei Amanda Barcelar Pires (primeira faixa-preta mulher da Bahia, aluna de Denilson Caribé - ASKABA). Graduou-se faixa preta pela FNAM, com o Sensei Masco Monteiro. De volta ao Rio de Janeiro, continuou seu treinamento com o Sensei Humberto Amorim (6º Dan), no Quartel São João da Urca, com quem continua treinando. Praticante do estilo Shotokan Ryu, o qual é 3º Dan, em 2009 começou a praticar Jiu-Jitsu (sob a orientação do Sensei Gustavo Souza - 6º Dan) e Aikido (sob a orientação do Sensei Luciano Santana - 4º Dan). Amante da cultura Japonesa fundou o Instituto Ishindo, onde busca difundir a cultura e tradição marcial japonesa.

    Comments are closed.