O verdadeiro sentido e espírito do Karate-Do

0

shutterstock_karatê
No ocidente ainda percebo muita ignorância no que diz respeito ao que sejam as artes marciais e em especial a minha arte marcial, ou seja, o Karate-Do. Hoje não só os valores desses diversos caminhos asiáticos se perderam e são ignorados pela maioria que por sua vez age da forma mais conveniente não se adaptando aos caminhos filosóficos e seus respectivos valores, mas sim adaptando os mesmos aos seus próprios valores e forma de pensar, como também colocando as suas características pessoas egóicas nas suas expressões pessoais dentro das artes marciais praticadas por estes.

Tudo que vemos hoje no universo das artes marciais não tem um culpado exclusivamente humano, mas sim tem como culpado o comportamento humano inicialmente referente a uma sede de propagação e divulgação dos diversos caminhos marciais que por sua vez foram inicialmente divulgados através de competições e campeonatos. Com isso certos valores foram ficando em segundo plano até que chegasse o dia que nem transmitidos estes foram mais e com isso, alguns nem os conheceram.

Lembro-me de alguns bons anos atrás quando ainda estava na faixa amarela ou vermelha, um rapaz de na época 18 anos de idade e 1º kyu(faixa marrom)que havia se ausentado do Dojo que praticava Karate-Do, voltado apenas para o esporte e estava treinando conosco, que nos deixou muito surpreso ao nos revelar que não sabia os nomes dos mestres que haviam trazido a nossa arte para o Brasil e Rio de Janeiro, como muito menos sabia o que era o Makiwara. De fato o rapaz socava com o punho torto, ou seja, com o pulso dobrado para dentro. Isso nos causou um espanto muito grande, pois estávamos diante de um 1º Kyu que por sua vez é uma graduação as portas de Kuro Obi Shodan (faixa preta 1º Dan) e nada sabia da essência da nossa arte marcial e nem história. Mas o mesmo era um apaixonado por campeonatos e acostumado a apenas lutar com luvas e a chutar bastante.

Karate1Existirem competições e os apaixonados por esse aspecto não seria o problema se a arte marcial em si a qual pratico e estudo não fosse verdadeiramente prejudicada ao ponto de quase desaparecer dos Dojo. Mas nos aproximando mais do tema esporte nas artes marciais, veremos mais questões inquietantes e que para sociedade são bem mais confortáveis do que para a essência das artes marciais. Cresci ouvindo em casa com meu pai, que Kung Fu, Karate-Do e artes marciais asiáticas em geral, tem um intuito de sobrevivência e um foco totalmente diferente em se tratando da arte do combate, se comparado ao Boxe por exemplo.

No caso do Karate-Do, ele sempre derrubava com seus golpes extremamente fortes e nessa arte marcial não havia troca de socos ou golpes, pois isso era para o Boxe. Nos kata estavam às argumentações técnicas assim como no Kung Fu, Tai Chi Chuan e suas formas, estavam à essência dessas artes para a luta real. Portanto a busca pelo direcionamento marcial e filosófico não acontece na atualidade na maioria dos Dojo e com o andamento das coisas ao longos das décadas, muitos não conhecem e não conheceram as artes marciais como elas verdadeiramente são. O jovem da atualidade acha que Karate-Do é só aquilo que ele vê em campeonatos, Judo idem e assim por diante.

Com isso a sociedade e os pais agradecem, pois os Dojo perderam o espírito de Dojo e se transformaram em academias ou clubes que são fábricas de esportistas condicionados a vencerem dentro das regras estabelecidas e que vivem em busca da vitória rejeitando assim verdadeiramente a essência das artes marciais que por sua vez nos ensina que não existe derrota no verdadeiro estudo do Karate-Do ou de qualquer arte marcial estudada seriamente.

Wado_Kai_Kihon_Kumite_IpponmeHoje fala-se muito de MMA além dos tradicionais campeonatos como referência de quem realmente é bom em algum sistema marcial e como se só ali houvessem as maiores personalidades e exemplos a serem seguidos! Sem contar que se você dá a sua aula no seu canto, não é de competir ou mesmo não foca seus estudos e ensinos para esse meio, você não existe para as federações e associações. Hoje também se vê com muita frequência a busca pela introdução do Karate-Do nas olimpíadas como esporte olímpico.

Quando argumentamos que o MMA não pode ser visto como referência máxima das artes marciais no sentido de ali não existirem os melhores expoentes de todos os sistemas marciais, aqueles que sabem que somos Karatecas logo usam o Sensei Lyoto Machida como referência para dizer que ali também tem Karate-Do e que por sua vez, se nossa arte fosse tão forte quanto nós dizemos em nossos discursos marciais e não esportivos referente ao Karate-Do, ele jamais perderia e o público leigo e praticantes de outras artes marciais veriam tudo aquilo que falamos sobre o Karate-Do na prática. Na cabeça desses em primeiro lugar, nem se passa a ideia de lutas compradas, dinheiro alto rolando etc., mas deixemos isso para outro momento.

lyotoE por não verem outros resultados no MMA e um Karate-Do bem mais marcial não só lá como em campeonatos de Karate, não acreditam em nada além do que veem até que se prove o contrário. Para estes, Karate é esporte com luvas, protetores bucais e onde se marca pontos por uma medalha ou troféu. Ou você encontra a nossa arte marcial com o nome comercial de Karate Jutsu que nada mais é do que o Karate-Do a rigor como ele assim chegou no Brasil e foi ensinado para alguns e que hoje repassam com esse nome para se diferenciarem do Karate esportivo que por sua vez leva o nome original da arte, ou seja, Karate-Do tradicional que é o Shotokan Ryu.

A bagunça está formada! Referente ao enfraquecimento da arte marcial pelo foco no aspecto esportivo e distanciamento com isso da essência filosófica e marcial, nos anos 90 o Sensei Yoshizo Machida pai dos famosos Machida atuais lutadores de MMA, em entrevista a antiga revista KIAI ano V- nº 27 respondeu as seguintes perguntas:


tumblr_ng059kqzl41sw3pd9o1_500KIAI- Para o senhor, o fato do Karate ser olímpico ou não, muda alguma coisa?

Sensei Yoshizo Machida –  Se o Karate se tornar olímpico, ele deve ser bem rigoroso. Deve-se medir a potência de cada golpe. Quanto a velocidade, nosso nível, 5º e 6º Dan, o soco pode atingir 12 metros por segundos. Então, quem irá medir isso?

KIAI-Tem de derrubar?

Sensei Yoshizo Machida – Exatamente, senão vira Boxe. O Karate tem que ser forte.

KIAI-O soco chega a 700kg num praticante de 5º ou 6º Dan?

Sensei Yoshizo Machida – Com certeza.


Partindo daí lhes pergunto, onde está esse Karate-Do? Nos Dojo, competições e MMA? O que vemos e os leigos veem lamentavelmente não é esse verdadeiro Karate-Do. A busca moderna não foca em definições nem em eficiência, mas sim em espetáculos para entreter e massagear egos. As artes marciais estão se perdendo e com isso só esses que buscam a glória do ego é que são valorizados e verdadeiramente existem.

Aqueles como nós que buscam os velhos valores e uma defesa pessoal real e não algo superficial, são fantasmas urbanos e ao mesmo tempo somos aqueles que pensam diferente, aqueles que são responsáveis pela sobrevivência da essência desta arte marcial. Ideal seria que todos os sistemas marciais seguissem a filosofia do Shihan Morihei Ueshiba pai do Aikido que não acreditava nos campeonatos como algo bom para sua arte e praticantes.O Shihan Gichin Funakoshi pai do Karate-Do Shotokan Ryu e todos os velhos mestres de Okianwa (terra de origem do Karate), também eram contra a ideia de campeonatos, mas foi só o Shihan Funakoshi morrer que organizaram o primeiro campeonato desta arte marcial.

foto para postar junto  com texto da colunaEvolução muitas vezes não é o que vemos na atualidade. Segundo ouvi em resposta áspera a um dos meus textos em outro site o qual ressaltava o mundo moderno das artes marciais e os valores distorcidos “os valores variam de pessoa para pessoa!” Digo que é muito cômodo e satisfatório para aquele que não busca regras e moral as quais sempre foram ensinadas nas artes marciais, religiões, escolas e em casa, pensar desta forma, pois com isso criam um mundo sem parâmetros e um mundo desta forma, não tem futuro por não haver nele respeito pelo outro e muito menos valores estabelecidos como certos seguindo o bom senso.

Será mesmo que vivemos uma evolução nas artes marciais e mundo? Eu acho que não. Assim como os valores essenciais da vida devem sobreviver nos dias atuais, os sistemas marciais e seus valores também devem ser preservados assim como suas metodologias exemplificadas na prática. E para tal ficaria insustentável exemplificar artes marciais feitas para serem objetivas e na maioria das vezes letais, em campeonatos como MMA onde não há um porque existir se não pela busca pelo dinheiro, fama, glamour e pela busca do ego massageado.

Por isso que venhamos a nos desapegar dessas buscas equivocadas e vazias, mas sim buscarmos o verdadeiro valor da arte marcial que praticamos e estudamos. Seja o Karate-Do, Judo, Ju Jutsu, Aikido, Kung Fu, Tai Chi Chuan, Muay Thai, Capoeira etc. todas elas devem sobreviver e ser ensinadas a rigor e não apenas comercialmente.

Uma boa semana para todos!

Oss!

Sensei Allan Franklin

Share.

About Author

Sensei Allan Franklin Pinheiro

Aluno do Bukaikan do Shiran Kung, discípulo direito e primeiro aluno do Shiran Kyoshi Benedito "Mão de Ferro" do Rio de Janeiro. Pratica neste Dojo os estilos Shotokan Ryu e Goju Ryu, tendo como intuito, resgatar a alma do velho Karatê de Okinawa.

Comments are closed.