Samurai e Forjador de Espadas de Curitiba

0

Edson Suemitsu - Forjador de Espadas

Por Diego Antonelli – Gazeta do Povo

Edson Suemitsu, Samurai e Forjador de Espadas de Curitiba,  dedica-se à cutelaria oriental há 30 anos. Descendente da sétima geração de samurais, ele mantém vivo o legado cultural que está no sangue da família. Ex-mecânico se especializou na fabricação da katana, a famosa espada usada por guerreiros japoneses. Há 10 anos, dedica-se exclusivamente à forja das espadas katanas. Hoje, recebe encomendas de fora do país.

A imagem de Buda repousa no jardim projetado exclusivamente para a arte de Edson Suemitsu. É nesse espaço que acende velas e incensos, reza e faz oferendas antes de forjar a milenar espada katana – modelo utilizado tradicionalmente pelos guerreiros samurais. Nos fundos da garagem de uma casa no bairro Cachoeira, em Curitiba, ele cultiva uma técnica praticamente esquecida – a cutelaria japonesa.

Edson Suemitsu

Cada katana é única. Produzida de forma artesanal, leva 12 dias para ser concluída e carrega ainda, segundo Edson, a energia de quem a produziu. Por isso, orações são realizadas antes, durante e após cada espada ser forjada. “Muitas pessoas usam as espadas como instrumento de meditação, colocando-as no colo e pensando em Deus”, explica.

Hoje, aos 54 anos, Edson vive dessa arte, uma tradição que vem de seus antepassados. “Sou descendente de samurais, isso está no sangue”, comenta. Ele faz parte de uma linhagem de guerreiros japoneses que está em sua sétima geração. O gosto pela cutelaria foi despertado ainda cedo. Quando menino, desmontava panelas e delas produzia pequenas facas.

Autodidata, ele se aprofunda há 30 anos nos estudos sobre espadas. “Naquela época não existia internet. Lia livros em inglês, japonês e espanhol e fui me aprofundando”, conta. No entanto, o interesse era um mero hobby. Sua primeira espada foi elaborada antes de completar 30 anos a pedido do irmão.

Mas, há 10 anos, um sonho transformou a vida de Edson. “Um japonês que eu nunca tinha visto na vida me apareceu num sonho e disse que eu tinha uma missão, um resgate a fazer”, revela Edson. Foi assim que ele abandonou a profissão de mecânico.

Antes fazia espadas para dar de presente. Hoje recebo uns oito e-mails por dia com encomendas.

Ao contrário dos samurais que usavam as katanas para guerrear, Edson procura manter o legado da família com outro objetivo: buscar a paz. “O que eu faço é uma obra de arte. É um dom que tenho e como os samurais tiraram muitas vidas, preciso fazer esse resgate cultural de outra maneira”, ressalta.

Compradores

A fama de Edson já atravessou oceanos. Oito katanas produzidas por ele estão no Japão e lá o valor de cada uma chega a US$ 15 mil. Estados Unidos, Inglaterra, Argentina e Venezuela são outros países que mantêm espadas do samurai curitibano. São adquiridas por colecionadores, praticantes de artes marciais e adeptos de meditação. Os modelos variam de R$ 2,5 mil a R$ 10 mil. “No Japão vale mais porque eles valorizam um material produzido por um filho de japonês que mora no Brasil e preserva a tradição de forjar as katanas”, conta.

Arte Milenar 

A Matéria-prima é importada do Japão e da Áustria; produto tem até garantia.

Também praticante de Ki-Aikido (uma arte marcial japonesa), Edson Suemitsu importa grande parte do material utilizado para forjar as espadas. A pele de arraia seca usada no cabo da katana sai por R$ 500, cada, e vem direto do Japão. O mesmo acontece com o cordão de seda empregado também no cabo.

As barras de aço são importadas da Áustria, onde, segundo o samurai curitibano, há material ideal para a cutelaria oriental. “A cada dois meses, eu importo algum material. Além disso, outros objetos utilizados nos detalhes das espadas também vêm do Japão”, revela. As lâminas variam de 60 a 75 centímetros de comprimento. Já a bainha – chamada no Japão de saya – é feita em pinho e revestida com couro sintético. “É um material que não risca a lâmina da espada. Se alguém quebrar minha espada tem garantia e ganha outra”, garante Edson, que já forjou mais de 300 katanas.

Além de espadas japonesas, Edson produz outros tipos de espada sob encomenda e até armaduras. Ano passado, após 18 meses de trabalho, entregou uma armadura samurai produzida a partir de ferro, aço, cobre e bronze que pesa 50 quilos.

Ritual de Entrega

Apesar de Edson afirmar que a maioria dos compradores é de fora do país, grande parte deles faz questão de receber a katana pessoalmente. Isso porque a entrega da espada é acompanhada por um ritual. “Coloco frutas, sal, água, incenso e faço orações japonesas pedindo harmonia e paz”, conta. Todo ritual é realizado no jardim da casa. Edson usa um quimono oriental que, garante ele, está na família há quase três séculos. “Essa é uma vestimenta que passou de pai para filho por muitos anos e que agora está comigo.”

 Restauração

Ao pé do Buda no jardim da casa de Edson descansa há dez dias uma espada que possivelmente pertenceu ao Exército Brasileiro. Apesar de não trabalhar com restauração, aceitou o desafio a pedido de um amigo. Mas, antes de começar o serviço, ele precisa eliminar as energias negativas do material. “Essa espada deve ter matado muita gente. Não coloco para dentro de casa material usado. Precisa passar por limpeza espiritual”, conta. Por isso, o artefato deve continuar recebendo orações do cuteleiro no jardim por mais 20 dias.

Saiba mais: Katana Suemitsu

Fonte: Gazeta do Povo

Texto de Diego Antonelli
Fotos: Marcelo Andrade.


Compartilhe.

Sobre o Autor

André Miranda

Nascido no Rio de Janeiro, mas, devido a sua ascendência nordestina, criado na Bahia, começou Karatê em 1988, na extinta Lince Karatê Clube, com a Sensei Amanda Barcelar Pires (primeira faixa-preta mulher da Bahia, aluna de Denilson Caribé - ASKABA). Graduou-se faixa preta pela FNAM, com o Sensei Masco Monteiro. De volta ao Rio de Janeiro, continuou seu treinamento com o Sensei Humberto Amorim (6º Dan), no Quartel São João da Urca, com quem continua treinando. Praticante do estilo Shotokan Ryu, o qual é 3º Dan, em 2009 começou a praticar Jiu-Jitsu (sob a orientação do Sensei Gustavo Souza - 6º Dan) e Aikido (sob a orientação do Sensei Luciano Santana - 4º Dan). Amante da cultura Japonesa fundou o Instituto Ishindo, onde busca difundir a cultura e tradição marcial japonesa.

Leave A Reply